apresentação | programação | evento on-line | apoio| links | contatos

Evento on-line :: videos do evento::
Cobertura diária :: Segunda feira 19/04/2004
segunda 19/04 | terça 20/04 |quarta 21/04 | quinta 22/04 |sexta 23/04

Teve início na manhã de hoje o IV Encontro de Culturas Indgenas do Acre e Sul do Amazonas, na cidade de Cruzeiro do Sul, extremo norte do Estado do Acre. Pela primeira vez na história do Acre, dezoito etnias, de diferentes aldeias ocupam uma mesma “aldeia”, buscando um mesmo objetivo: a sobrevivência e o respeito à sua cultura.

(para aumentar, clique as fotos)


Na abertura oficial os Kaxinawá demonstraram a Dança do Gavião, realizada para trazer boas energias para o Encontro. A abertura oficial contou com a presença do secretário indígena, Francisco Pinhanta (índio Ashaninka), do Governador do Estado e de outras autoridades que, logo após a Dança do Gavião, seguiram rumo ao centro da cidade numa passeata que reuniu algo em torno de mil pessoas e que celebrava as muitas conquistas e vitórias alcançads pelos povos indígenas.

::Assista o video da passeata

   
(para aumentar, clique as fotos)


À tarde foi aberta a visitação orientada que contou com a presença de algumas centenas de estudantes e da comunidade em geral, que ainda acompanhou as apresentações culturais do povo Nawa, do povo Apolima-arara e do povo Kaxinawá.
O povo Apolima-arara surpreendeu a todos os que assistiam a sua apresentação quando, inesperadamente, trouxeram ao centro da “aldeia” um panelão de Caiçuma (bebida alcoólica obtida através da fermentação da mandioca ou do milho, muito consumida nas aldeias), e ainda ofereceram aos visitantes que aceitaram e gostaram daquele novo sabor.


O tema principal do IV Encontro de Culturas Indígenas do Acre e Sul do Amazonas diz respeito aos povos “ressurgidos”. Resurgidos porque há muitos anos achava-se que os Nawa e os Apolima-arara haviam sumido, ou mesmo, sequer existido. Numa apresentação emocionante, os povos Apolima-arara e Nawa, dançaram e cantaram ao som de músicas passadas de geração para geração, cada qual com seu próprio idioma e musicalidade.

Texto Fernando Figali